terça-feira, 14 de outubro de 2014

Mas

Judite ficava puta com o pré-conceito que sofria por ser nordestina, mas achava que veado não era coisa de Deus.

Marlos sempre foi excluído por ser gay, mas sempre dizia que gordo era preguiçoso.

E Amanda era gorda, mas achava que nordestino era tudo miserável que vivia por causa do bolsa família.

10 comentários:

Bell disse...

kkkk, isso me lembrou aquela história:

João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém.
João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento,
Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes
que não tinha entrado na história

Ju disse...

Acho que todos nós temos nossos preconceitos (infelizmente), mas se você tenta superá-los ou pelo menos não os exterioriza, já tá caminhando para a evolução!

Pull or Push? disse...

Clap clap clap clap clap

Perfeito, Cris!!

Natalia T.

Patricia Romanato disse...

Triste isso viu!

Fulana disse...

gerou incômodo geral essa questão! critico vc ao invés de apenas discordar de sua posição...

Bah disse...

É, sei lá que cada um reclama do outro sendo que não enxerga o próprio umbigo.

K!

Raquel disse...

nada de bom vem depois de um mas, né? :(

Cambaxirra disse...

"Todos esquece" que têm umbigo, né?

Maeve disse...

Muito bom, viu?

Cyntia Campos disse...

Infelizmente o pre-conceito está em todos nós.