quinta-feira, 13 de março de 2014

E se soubéssemos

Imagina se soubéssemos o dia de nossa morte, este dia estaria como uma marca de nascença no antebraço para que sempre a gente olharia para ele.

Será que sentaríamos no sofá jogando candy crush esperando o dia chegar? Ou faríamos tudo em uma só vida porque faltam 35875 dias para morte.

Todos nós seriamos melhores? Ajudaríamos o próximo com medo do fim ou seriamos mais individualistas que somos hoje? E ainda tem as situações:

Imagina um pai vendo a data menor do antebraço do filho que a dele próprio? Ou o filho ver diariamente a data dos pais. Ou um casal comparando as datas? Seria algo assim: "Ela é gostosa, mas vai durar 10 anos a mais que eu." Ou duvidas mórbidas como a data da sogra poderiam surgir.

Não seriamos pegos de surpresa (podia ter até um app para avisar a gente) e com isto as mulheres poderiam estar sempre de cabelo pronto nos velórios e durante o enterro todos em silencio saberia quem seria o próximo.

Penso que o mercado poderia capitalizar isso: planos de saúde, planos funerários, seguro de vida. Eles não levariam em consideração a data de nascimento, mas a data de morte. A data de nascimento não ia mais valer de nada, você não ia preencher a data de nascimento na entrevista de emprego, mas sim a data de falecimento.

Acho que iríamos ver sindicatos mostrando que as empresas não contratam gente com menos de 1 ano para a morte. E elas retrucando porque o investimento em treinamento de mão de obra não contava.

Mórbido isso né? Ainda bem que não é assim.

10 comentários:

Ju disse...

Nossa... interessante! Como tudo tem pró e contra, eu acho que (pelo menos) numa coisa seria bom... não seríamos pegos de surpresa. E com certeza aproveitaríamos bem mais a companhia das pessoas.

Bell disse...

Na vida a unica certeza que temos é da morte (inevitável essa danada). Torcemos sempre para que ela passe longe de nós e dos nossos queridos.

Então vamos viver e aproveitar muito =)

Sandra disse...

Ainda bem que não sabemos desta data, porém ela (a morte) é a única certeza que temos na vida. Freud escreveu que o nosso insconsciente é programado para não pensar na nossa própria morte e ele tem razão, senão não nos sacrificaríamos tanto para ter isso ou aquilo, sabendo que com a morte tudo acaba...afff, tema mórbido!!

Rafaella disse...

Sabe que ate a data da morte que fazem nessas brincadeiras eu não queria saber?? kkkkkkk
Iria ficar aflita demais...
Olha o fim do mundo em 2012, as pessoas davam como certa, fiquei super agoniada rs..
Agora, pensa quem tirou a vida achando que isso ia acontecer!
Nada como não saber a data da morte :)
Bjs

Madi Muller disse...

Tem um aplicativo que tu pode calcular a data da tua morte,bastando preencher alguns dados,interessa?(meu irmão já calculou a dele,credo...)
:)))

Patricia Romanato disse...

Eu não gosto de falar sobre a morte. Embora seja a única certeza na vida. Prefiro tirar a bunda da cadeira e fazer alguma coisa, viver melhor, amar melhor enfim...
Eu não gostaria de saber a data da minha morte!
Preferia um aplicativo que mostrasse se realmente estou aproveitando bem a vida.

Bêjo

Beatriz Paulistana disse...

Boa tarde Cristiano!!!
Estranho essa situação, mas seria diferente e com certeza nos acostumaríamos, pois os seres humanos se adaptam facilmente com tudo.
Feliz e Abençoada Noite!!!
Bjokas...da Bia!!!

Miguel Alexandre Pereira disse...

Por um lado gostava saber, mas acho que era uma pressão enorme. Mas com certeza que a vida era melhor aproveitada, sem gastar um minuto :)

http://ummarderecordacoes.blogs.sapo.pt/

Juliana disse...

Muito bom esse texto. Detalhes bem pensados. Seria estranho =/

Bah disse...

Apesar de mórbido, consigo enxergar uma certa positividade nisso. Se as pessoas soubessem que dia fossem morrer, as coisas seriam mais práticas. E muitas pessoas tentariam burlar essa lei, tb seria um caos auhauaa

Kisu!